sábado, 3 de novembro de 2012

Natal: CBTU publica edital para compra de 12 VLTs

12/10/2012 - Tribuna do Norte

O critério de julgamento será o de menor preço, no modo fechado e o regime de execução é o de fornecimento integral.

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) publicou no Diário Oficial da União da última quarta-feira (10) o edital para abertura de Licitação referente à aquisição de 12 Veículos Leves Sobre Trilhos, chamados VLT's, destinados à Superintendência de Trens Urbanos de Natal (STU/NAT).

A licitação seguirá o Regime Diferenciado de Contratações Públicas - RDC, na forma presencial e será realizada em sessão pública, conduzida por Comissão Especial de Licitação nomeada para esse fim, observando, obrigatoriamente, as condições estabelecidas na legislação específica e no edital e seus anexos.

O critério de julgamento será o de menor preço, no modo fechado e o regime de execução é o de fornecimento integral. Será aplicada a margem de preferência para a aquisição de veículos para vias férreas, apenas para os produtos manufaturados nacionais, estipulada pelo Decreto nº 7.812, de 20/09/2012. Sendo admitida a participação isolada de empresa estrangeira com representação própria no País.

Superintendente da CBTU-Natal, João Maria Cavalcanti, disse que VLT trará conforto e comodidade à população
O agrupamento em consórcio de no máximo duas empresas também será admitido. A contratada deverá apresentar Garantia de Execução em percentual equivalente a 5% do valor total do contrato.

As propostas deverão ser recebidas e abertas até às 10:00h do dia 31/10/2012 (horário de Brasília), na Gerência Geral de Licitações da CBTU, situada na sala 408 do edifício sede, sob o nº 86 da Praça Procópio Ferreira, no Centro do Rio de Janeiro.

De acordo com o cronograma previsto, o primeiro veículo será entregue com 15 meses após a assinatura do contrato e o segundo com 18 meses, ou seja, antes da Copa poderemos ter no mínimo dois VLT's entregues a Natal.

Para o Superintendente de Trens Urbanos de Natal, o engenheiro João Maria Cavalcanti, a publicação do edital confirma a implantação do VLT na região metropolitana de Natal pela CBTU, "trazendo um serviço de melhor qualidade para os usuários do sistema férreo". "O projeto deverá ser estendido às linhas Norte (Natal/Ceará-Mirim) e Sul (Natal/Parnamirim) em sua totalidade, ou seja, nos 56,2 km de via existente na região", finalizou.

O Edital estará à disposição dos interessados, gratuitamente, no site da CBTU.

Licitação para compra do VLT de Natal foi realizada pela CBTU no RJ

01/11/2012 - NE10

Os VLTs serão financiados pelo PAC Equipamentos do Ministério das Cidades.

Por Kívia Soares

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) realizou nesta quarta-feira (31) na sede da administração central do órgão, no Rio de Janeiro, a licitação para a compra dos 12 Veículos Leves Sobre Trilhos (VLTs) destinados a compor o sistema de trens urbanos da capital do Rio Grande do Norte.

Além isso, a Companhia também realizou certame para aquisição de oito VLTs para o sistema de João Pessoa (PB). No total serão 20 veículos comprados para as duas capitas do Nordeste.

O processo licitatório contou com a participação de duas empresas que apresentaram suas propostas, são elas: Bom Sinal Indústria e Comércio Ltda com valor global de R$ 182.031.342,57 e a CAF Brasil Indústria e Comércio S/A com valor de R$ 268.870.774,26. Dentre elas o menor valor foi a da primeira empresa citada.

Os VLTs serão financiados pelo PAC Equipamentos do Ministério das Cidades, que disponibilizou de R$ 154 milhões para o processo de modernização do Sistema de Trens Urbanos de Natal. O resultado do julgamento da proposta vencedora será divulgado no Diário Oficial da União, até a próxima quarta-feira (7).

Fonte: NE10/Rio Grande do Norte




Enviado via iPhone

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Empresas apresentam propostas para VLT em Natal

31/10/2012 - G1 RN

Duas empresas apresentaram proposta à Companhia Brasileira dos Trens Urbanos (CBTU), no edifício sede da instituição, no Rio de Janeiro, para a instalação do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLTs), em Natal. As empresas Bom Sinal Indústria e Comércio Ltda e a CAF Brasil Indústria e Comércio S/A, apresentaram propostas. A primeira apresentou um custo total pelas 20 locomotivas de R$ 182.031.342,57 contra R$ 268.870.774,26 da concorrente. A Bom Sinal, portanto, saiu vencedora da licitação apresentado o menor valor para os VLTs.

A licitação contempla a aquisição de 12 Veículos Leves Sobre Trilhos (VLTs) para o sistema trens urbanos de Natal e 08 para o sistema de João Pessoa, totalizando 20 veículos.

Após a verificação da conformidade das Propostas de Preços a comissão de licitação irá se reunir para analisar a documentação apresentada, dado o grau de complexidade das características técnicas dos equipamentos. O resultado do julgamento da proposta para a habilitação da empresa vencedora será divulgado no Diário Oficial da União (DOU), até a próxima quarta-feira (7).

Para o Superintendende de Trens Urbanos de Natal, João Maria Cavalcanti, a realização deste processo licitatório, dá início a uma nova fase no sistema de transporte de passageiros sobre trilhos na Região Metropolitana de Natal. O metrô de superfície, também chamado de VLT, atuará como coadjuvante aos demais modais, analisou o superintendente.

Os VLTs serão adquiridos com orçamento oriundo do Ministério das Cidades que disponibilizou de R$ 154 milhões, através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Equipamentos. A instalação das máquinas irão iniciar o processo de modernização do Sistema de Trens Urbanos de Natal e deverão contemplar os municípios de Natal, Extremoz, Parnamirim e Ceará-Mirim.


Enviado via iPhone

domingo, 28 de outubro de 2012

CBTU festeja um ano de implantação do VLT em Maceió

11/10/2012 - CBTU

Nas vésperas do dia das crianças, os VLT (Veiculo Leve Sobre Trilhos) completam um ano de operação em Maceió na próxima quarta-feira, dia 10 de outubro. Quem ganha com este tipo de transporte é a população, que se locomove diariamente para bairros e cidades que compõem a grande Maceió. Para o superintendente da CBTU, Marcelo Aguiar, a implantação


Satisfação da população marca o primeiro ano de operação
do VLT mobilizou todos os técnicos da empresa num esforço conjunto para a recuperação de toda a malha ferroviária, construção de novas estações e a garantia de um transporte de qualidade. Até o final do mês de novembro deverá chegar à oitava composição, concluindo assim mais uma etapa do VLT. Sobre o novo sistema ferroviário, o preço é o que mais chama a atenção e a preferência do usuário, que paga pela passagem de ônibus 2,30 centavos, enquanto a do VLT é de apenas 0,50 centavos, sem contar ainda com o conforto que outros meios de transporte não oferecem como a climatização e segurança. ''Oxe, é bom demais. Economizo no fim do mês e ainda sobra dinheiro pro leite dos meninos", falou Maria Cícera que mora em Satuba e usa o VLT todos os dias para vir a capital alagoana.

"Por mês o número de passageiros ultrapassa 100 mil usuários do Veiculo Leve Sobre Trilhos (VLT) e a tendência é aumentar com mais uma composição que está pra chegar", ressaltou Aderson Jackson, Coordenador de Manutenção da CBTU-Maceió. Darcírio Magalhães, Coordenador de Operações, conta ainda que as operações dos trens alcançarão a marca de um milhão e quatrocentos mil usuários no mês de outubro de 2012.



Enviado via iPhone

sábado, 20 de outubro de 2012

Malha férrea de Natal recebe melhorias para chegada do VLT

18/10/2012 - NE10/Rio Grande do Norte

O objetivo é a modernização do sistema, inicialmente com a substituição de 20km de trilhos e dormentes de madeira pelos de concreto



Por Kívia Soares

Após o anúncio da licitação para a compra de 12 Veículos Leves Sobre Trilhos (VLTs) destinados à Natal, marcada para 31 de outubro, a Superintendência de Trens Urbanos de Natal (STU/NAT) iniciou os serviços de melhoria e adaptação, nos 56,2 km de malha ferroviária da cidade. A previsão inicial é substituir cerca de 20 km de trilhos e dormentes para atender a modernização do sistema. As obras começaram pela Estação Natal, no bairro da Ribeira, onde estão estocados mais de 10 km de trilhos e cerda de 5mil dormentes de concreto.

O superintendente da STU, João Maria Cavalcanti, diz que a previsão para a chegada dos primeiros VLTs na capital potiguar deve ocorrer entre os meses de maio e junho de 2014, e que até lá são necessárias algumas adaptações no sistema férreo. Em Natal, existem duas linhas que cortam a cidade nos sentidos Norte e Sul, a primeira de maior extensão com 38,5 km e a outra de menor extensão, com 17,7 km.m


Enviado via iPhone

terça-feira, 16 de outubro de 2012

CBTU abre licitações para compra de 20 VLTs e 10 TUEs

10/10/2012 - Revista Ferroviária

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) publicou nesta terça-feira (09/10) o aviso de duas licitações para a compra de 20 Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs) e de 10 Trens Unidades Elétricos (TUEs) para as cidades de João Pessoa, Natal e Belo Horizonte.

A primeira licitação é para a aquisição de 20 VLTs, sendo 12 destinados à Superintendência de Trens Urbanos de Natal (CBTU Natal) e oito à Superintendência de Trens Urbanos de João Pessoa (CBTU João Pessoa). Os VLTs são compostos por três carros cada, movidos a tração diesel-hidráulica ou diesel-elétrica, em bitola métrica.

A segunda licitação será para a aquisição de dez TUEs, com quatro carros, em bitola larga e corrente de 3.000 VCC, para a Superintendência de Trens Urbanos de Belo Horizonte (CBTU Belo Horizonte).

A verba para a compra desses veículos faz parte do programa de compras governamentais do "PAC Equipamentos", lançado pelo governo federal para estimular a economia. A licitação é do tipo menor preço e será aplicada a margem de preferência para a aquisição de produtos nacionais. Será permitido que empresas estrangeiras participem da licitação, contanto que tenham representação própria no Brasil. Também será permitido o agrupamento em consórcio de no máximo duas empresas.

As propostas deverão ser recebidas e abertas no dia (31/10), na Gerência Geral de Licitações da CBTU, na Praça Procópio Ferreira, no Centro, do Rio de Janeiro.

O edital está disposição dos interessados, gratuitamente, no site www.cbtu.gov.br/licitações/avisos/editais. Para mais informações os telefones da CBTU são (21) 3733-3185/86. As dúvidas também podem ser esclarecidas pelo e-mail: fsilva@cbtu.gov.br.


Enviado via iPhone

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Orçamento aprova recursos para o PAC Equipamentos

25/09/2012 - Agência Câmara/RF

A Comissão Mista de Orçamento aprovou, nesta terça-feira (25), duas medidas provisórias que abrem crédito extraordinário no valor de R$ 381,2 milhões para socorrer vítimas de desastres ou calamidades (MP 572/12), principalmente as atingidas pela seca no Nordeste; e de R$ 6,8 bilhões para a compra de equipamentos por órgãos federais (MP 573/12).
A votação só foi possível devido à presença massiva de deputados da base governista. Desde o início do período eleitoral, a comissão não consegue se reunir para votar as propostas em pauta, devido à estratégia de obstrução da oposição.

O deputado Felipe Maia (DEM-RN) disse que um dos motivos para a obstrução foi o não cumprimento de acordo, por parte do governo, para a liberação de recursos relativos a emendas parlamentares ao Orçamento de 2012.

Segundo o deputado Cláudio Puty (PT-PA), porém, algumas emendas não têm sido liberadas por motivos técnicos. "Há diversos problemas operacionais: prefeituras inadimplentes, documentos que faltam, e isso realmente a Presidência da República não pode resolver", argumentou.

Nesta terça, a oposição manteve a estratégia e provocou duas checagens nominais de quórum e apresentou vários requerimentos de adiamento de votação ou retirada de pauta, mas não obteve sucesso.

Nordeste

Após o início da votação, o deputado Felipe Maia ressaltou ser favorável à aprovação da MP 572/12, que, segundo ele, é "importantíssima" para o Nordeste. O deputado cobrou do governo um planejamento para executar os recursos destinados às comunidades atingidas pela seca. Ele apontou que, dos R$ 381 milhões, apenas R$ 206 mil (0,05%) foram pagos até agora.

Conforme estabelece a MP, o dinheiro será utilizado na compra de veículos, reboques, carros-pipa, reservatórios para transporte de água, bombas d'água, geradores, máquinas e equipamentos, entre outros bens e serviços relacionados ao combate à seca.

Também estão previstas a execução de obras emergenciais, a capacitação de pessoal para uso dos equipamentos, a contratação de mão de obra terceirizada e a obtenção e a manutenção de postos de abastecimento de combustíveis para atendimento aos moradores.

Equipamentos

Já a aprovação da MP 573/12 foi criticada pela oposição. A medida destina R$ 6,8 bilhões para a compra de equipamentos por nove ministérios: Educação, Justiça, Saúde, Transportes, Planejamento, Desenvolvimento Agrário, Defesa, Integração Nacional e Cidades. As verbas integram o chamado "PAC Equipamentos", programa de compras governamentais lançado pelo Executivo para estimular a economia.

O PAC Equipamentos contempla R$ 721 milhões para compra de novos trens para João Pessoa, Natal, Belo Horizonte e Porto Alegre. As concorrências para a compra dos novos trens e VLTs darão preferência para as empresas nacionais. Serão 60 novos carros de passageiros para a Trensurb, oito VLTs para João Pessoa (PB), 12 VLTs para Natal (RN) e 10 TUEs para Belo Horizonte (MG).

O deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA) afirmou que a MP é eleitoreira. "Uma medida que confere ao governo manejar volumes extraordinários de recursos às vésperas de uma eleição municipal é uma coisa inoportuna, chega até a ser suspeita", disse.

Imbassahy disse que a MP destina R$ 1,7 bilhão de maneira genérica para a compra de equipamentos de infraestrutura, o que deveria ser melhor discutido. Segundo o deputado, o Executivo também acaba retirando a prerrogativa do Congresso de decidir sobre o Orçamento.

As medidas provisórias ainda serão votadas pelo Plenário do Congresso.

Projeto

Notícias da Imprensa


« Voltar
Orçamento aprova recursos para o PAC Equipamentos

25/09/2012 - Agência Câmara/RF

A Comissão Mista de Orçamento aprovou, nesta terça-feira (25), duas medidas provisórias que abrem crédito extraordinário no valor de R$ 381,2 milhões para socorrer vítimas de desastres ou calamidades (MP 572/12), principalmente as atingidas pela seca no Nordeste; e de R$ 6,8 bilhões para a compra de equipamentos por órgãos federais (MP 573/12).
A votação só foi possível devido à presença massiva de deputados da base governista. Desde o início do período eleitoral, a comissão não consegue se reunir para votar as propostas em pauta, devido à estratégia de obstrução da oposição.

O deputado Felipe Maia (DEM-RN) disse que um dos motivos para a obstrução foi o não cumprimento de acordo, por parte do governo, para a liberação de recursos relativos a emendas parlamentares ao Orçamento de 2012.

Segundo o deputado Cláudio Puty (PT-PA), porém, algumas emendas não têm sido liberadas por motivos técnicos. "Há diversos problemas operacionais: prefeituras inadimplentes, documentos que faltam, e isso realmente a Presidência da República não pode resolver", argumentou.

Nesta terça, a oposição manteve a estratégia e provocou duas checagens nominais de quórum e apresentou vários requerimentos de adiamento de votação ou retirada de pauta, mas não obteve sucesso.

Nordeste

Após o início da votação, o deputado Felipe Maia ressaltou ser favorável à aprovação da MP 572/12, que, segundo ele, é "importantíssima" para o Nordeste. O deputado cobrou do governo um planejamento para executar os recursos destinados às comunidades atingidas pela seca. Ele apontou que, dos R$ 381 milhões, apenas R$ 206 mil (0,05%) foram pagos até agora.

Conforme estabelece a MP, o dinheiro será utilizado na compra de veículos, reboques, carros-pipa, reservatórios para transporte de água, bombas d'água, geradores, máquinas e equipamentos, entre outros bens e serviços relacionados ao combate à seca.

Também estão previstas a execução de obras emergenciais, a capacitação de pessoal para uso dos equipamentos, a contratação de mão de obra terceirizada e a obtenção e a manutenção de postos de abastecimento de combustíveis para atendimento aos moradores.

Equipamentos

Já a aprovação da MP 573/12 foi criticada pela oposição. A medida destina R$ 6,8 bilhões para a compra de equipamentos por nove ministérios: Educação, Justiça, Saúde, Transportes, Planejamento, Desenvolvimento Agrário, Defesa, Integração Nacional e Cidades. As verbas integram o chamado "PAC Equipamentos", programa de compras governamentais lançado pelo Executivo para estimular a economia.

O PAC Equipamentos contempla R$ 721 milhões para compra de novos trens para João Pessoa, Natal, Belo Horizonte e Porto Alegre. As concorrências para a compra dos novos trens e VLTs darão preferência para as empresas nacionais. Serão 60 novos carros de passageiros para a Trensurb, oito VLTs para João Pessoa (PB), 12 VLTs para Natal (RN) e 10 TUEs para Belo Horizonte (MG).

O deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA) afirmou que a MP é eleitoreira. "Uma medida que confere ao governo manejar volumes extraordinários de recursos às vésperas de uma eleição municipal é uma coisa inoportuna, chega até a ser suspeita", disse.

Imbassahy disse que a MP destina R$ 1,7 bilhão de maneira genérica para a compra de equipamentos de infraestrutura, o que deveria ser melhor discutido. Segundo o deputado, o Executivo também acaba retirando a prerrogativa do Congresso de decidir sobre o Orçamento.

As medidas provisórias ainda serão votadas pelo Plenário do Congresso.

Projetos

Além das MPs, a Comissão de Orçamento aprovou dois projetos de lei: o PLN 14/12, que abre crédito suplementar no valor de R$ 141,2 milhões para os ministérios de Minas e Energia, dos Transportes e das Comunicações; e o PLN 17/12, que libera R$ 97 milhões para o Senado, as Justiças federal, eleitoral e do trabalho, a Presidência da República e o Ministério Público da União.

Clique no link abaixo e leia na íntegra a proposta MP 573/12:
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=549793



Enviado via iPhone

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Fluxo pode aumentar com o VLT

28/08/2012 - Jornal da Paraíba

Para o superintendente Lucélio Cartaxo, as deficiências do sistema ferroviário só serão resolvidas com a substituição dos trens, o que deve ser concretizado no primeiro semestre de 2014. 

Está prevista para este ano a realização de licitações para instalação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na Região Metropolitana de João Pessoa. Com os novos trens, a expectativa é que o fluxo de passageiros aumente para 40 mil por dia. 

A capital paraibana receberá oito trens, cada um com três vagões climatizados, duas cabines de comando permitindo operar em monovia, baixo potencial poluidor e baixo consumo de biodiesel e com capacidade para transportar 562 passageiros por viagem. Os recursos para a compra do VLT estão assegurados pelo Ministério das Cidades, dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC - Equipamentos) que destinou R$ 96 milhões para serem investidos nos trens urbanos de João Pessoa. 

O superintendente da CBTU aposta na adesão da população ao transporte ferroviário em 2014. “Um dos problemas é a demora entre as viagens, que atualmente é de 50 minutos e deve diminuir para 15 minutos, no máximo. Com o VLT, teremos velocidade, conforto, segurança e pontualidade de 100%. Com isso, as pessoas se sentirão estimuladas a utilizar o trem, o que vai ajudar o transporte através dos ônibus, por exemplo”, destaca. 

“A estimativa é que os trens estejam implantados até a Copa do Mundo, até lá, temos de trabalhar com o que está disponível. A chegada do VLT é a culminância de toda uma preparação que viemos desenvolvendo com as reformas nas estações e modernização dos trilhos e dormentes”, assegura Lucélio. 

    

VLT volta a ser pauta nos grandes temas da Região Metropolitana de Natal

31/08/2012 - CBTU

Na manhã desta segunda-feira (27), o Serhs Natal Grand Hotel sediou o seminário Motores do Desenvolvimento, em sua 3ª edição de 2012. O evento teve como principal objetivo discutir as questões relevantes para a execução e desenvolvimento das obras de mobilidade e transportes coletivos. 

O evento reuniu grandes nomes do empresariado e da política local e nacional. O Ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, que veio a Natal especialmente para o Seminário, enalteceu que a Copa 2014 será importante por trazer para os brasileiros as melhorias necessárias, principalmente nas grandes cidades. 

A CBTU - Natal, convidada para o evento, foi representada pelo seu superintendente, o engenheiro João Maria Cavalcanti, que contribuiu com o debate para as soluções de mobilidade do transporte público da grande Natal. 

Após a abertura do evento, o Superintendente da CBTU - Natal participou de uma audiência reservada com o Ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro e representante da Bancada Federal do RN. O Superindentende fez uma exposição da proposta de implantação do VLT da CBTU nos trechos de linhas existentes, entre a Zona Norte e a Zona Sul da Região Metropolitana de Natal. Aproveitando a oportunidade, João Maria Cavalcanti pediu ao ministro à liberação de recursos para viabilizar tal pleito, uma vez que estes já estão assegurados na Medida Provisória Nº 573, de 27 de junho de 2012, referente ao PAC Equipamentos. 

Olhares no vai e vem dos trens de Natal

26/08/2012 - Diário de Natal

Os trens de Natal são diferentes, mas ainda agradam os usuários.

Por Sérgio Henrique Santos

Uma visão turva ou quadrada. Assim é a capital vista de dentro dos vagões das antigas locomotivas da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). As janelas não são abertas e o vidro é velho, embaçado. O sistema será substituído pelo moderno Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), que fará parte do percurso onde hoje existe a Linha Norte, entre Natal e Ceará-Mirim. Serão 12 veículos novos e cada um poderá transportar até 600 usuários. O VLT será construído até Extremoz, na região metropolitana. Terá 18 metros de comprimento, ar condicionado, acessibilidade aos portadores de deficiência física e velocidade máxima de 40km/h. Os veículos serão similares aos que já estão em operação nas cidades de Recife e Maceió. Cada veículo será constituído por três carros movidos a tração diesel elétrica e diesel hidráulica.

Hoje, os potiguares que moram na periferia da capital ou em cidades da Grande Natal e que utilizam o transporte ferroviário convivem com um sistema que ainda funciona, embora de forma precária, e que por isso requer mudanças urgentes. Da estrutura das estações até os trilhos, o sistema se distancia anos-luz dos bucólicos sistemas ferroviários ainda mais antigos mas infinitamente mais bem-conservados vistos na Europa, que permitem aos usuários ter conforto na viagem, tomar vinho a bordo e transitar, por exemplo, entre vários países. Aqui, é proibido beber.

Os trens de Natal são diferentes, mas ainda agradam os usuários. O Poti/Diário de Natal resolveu embarcar na viagem do percurso que será contemplado no novo VLT, entre a Estação Ribeira (Natal) e Extremoz. Percebeu que não é tão ruim andar de trem, como dizem os críticos. Com buracos nas ruas, andar de ônibus é mais aventureiro. No trem, ao longo do caminho, repórter e fotógrafo observaram a Natal que poucos vêem. Ouviram os usuários do sistema, que em geral estão conformados com a falta de conforto, a escassez de viagens e os horários em que os trens partem lotados. Eles justificam que o esforço vale a pena por causa do baixo custo da viagem: apenas R$ 0,50. Através de imagens, convidamos o leitor a seguir conosco nos trilhos.

9h44 - Estação Ribeira

O trem parte pontualmente às 9h44, conforme previsto na tabela de horários estabelecida pela CBTU. A previsão é chegar a Extremoz às 10h36 [52 minutos depois], mas o trem ainda seguirá até Ceará-Mirim, onde termina a viagem. O trem parte com cinco vagões puxados pela locomotiva, e cerca de 30 passageiros a bordo, todos sentados. O supervisor de limpeza, Marcos Domingos, diz que normalmente naquele horário é assim. "À noite, na última viagem, ele sai lotado". No percurso inicial e pela porta dos fundos do último vagão, é possível ver o estuário do Potengi e as casas e barcos de pesca que ficam na beira do rio e no Passo da Pátria. Visão diferente da que tem quem passa por cima, na Avenida do Contorno, próximo à Pedra do Rosário.

9h50 - Estação Alecrim

A estação tem sinais de vandalismo como pichações na parede. "Às vezes tem arrombamento", explica um dos passageiros. Na estação, embarcam o agente de portaria Márcio Santana, 23 anos, que leva diariamente sua mulher, Ana Caroline, grávida de oito meses, até Ceará-Mirim. "O trecho mais lotado é na outra linha, entre o Planalto e Parnamirim. Tem vezes que ele demora a vir, passando até três horas entre um e outro. O que é mais chato nas viagens com o trem lotado é que minha mulher, mesmo grávida, nem sempre consegue local para sentar". "As pessoas não têm consciência. Ignoram", diz ela.

9h55 - Estação Quintas

Ao passar pela comunidade Guaritas, crianças que brincavam na rua jogam pedras no trem. Por sorte não batem em ninguém porque as janelas não são abertas. "O povo joga muito pedra no trem nessa parte da cidade. São vândalos. Somos trabalhadores, não fazemos mal algum para eles", observou o pedreiro Marcos Tarcísio da Silva. O trem segue pelas comunidades do Mosquito e Beira-Rio, próximas à Ponte de Igapó, sob olhar atento de uma passageira sentada sozinha no banco frio do trem. Mais adiante ela terá uma visão mais próxima do Potengi e da velha ponte inglesa de ferro. Ponte adormecida sobre o estuário que dá nome ao Rio Grande do Norte.

10h01 - Estação Igapó

Na primeira parada na Zona Norte da capital, o trem recebe mais passageiros. Agora são cerca de 100 usuários que seguem em direção a Extremoz e Ceará-Mirim. A autônoma Lilian Beth Silva de Sousa, 23 anos, fazia sua segunda viagem de trem. Moradora de São Gonçalo do Amarante, ela estava indo a Extremoz com o irmão, Luan, e a filha pequena, visitar a mãe, que mora na cidade vizinha. "Estamos indo visitar minha mãe. Eu gostei da viagem, estrutura boa. Minha mãe é quem usa muito o trem pra nos visitar em São Gonçalo do Amarante. As pessoas falam mal do trem, mas é um transporte barato".

10h09 - Estação Santa Catarina

Mesmo com muitas vagas, um senhor que tem assento preferencial opta por observar o conjunto Panorama em pé, pela janela do trem. Na Estação Santa Catarina, mais sinais de vandalismo. Os seguranças dizem que o perigo acontece porque a estação fica aberta. Eles também permanecem durante toda a viagem, para evitar assaltos e brigas nas viagens. "De vez em quando alguns passageiros querem se estranhar", comentou um deles, que prefere não se identificar.

10h11 - Estação Soledade

Do lado de fora, muito lixo jogado nas ruas do conjunto Soledade. Os prédios do outro lado do Potengi não são mais vistos e o trem segue seu caminho. Nalva Fernandes, dona de casa de 53 anos, observava pacientemente a paisagem. "Gosto do trem porque é barato e passa nas horas certas, embora às vezes quebre. O conserto é rápido. O trem fica cheio às seis da noite, e também no início da manhã, mas dá para acomodar todo mundo. Não fica ninguém sem viajar. Se eu fosse de carro, acho que levaria uma hora. De trem daqui a pouco eu chego, menos de meia hora". Após a conversa, a mulher torna a obervar a paisagem ao longo de sua viagem, feita diariamente entre o bairro Potengi e Ceará-Mirim.

10h18 - Estação Nova Natal

O lixo aumenta e se torna lixão. Crianças brincando com detritos, carroceiros jogando entulho, restos de poda e construção civil. O cenário é visto no lixão de Nordelândia, no bairro de Lagoa Azul, onde fica a Estação Nova Natal. Este é o momento da viagem em que o trem fica mais cheio, mas com lugar para todos estarem sentados. Cerca de 300. São jovens estudantes, homens e mulheres, casais, grávidas sozinhas, senhores e senhoras.

10h22 - Estação Nordelândia

Depois do lixão, é possível ver, pela janela a lagoa de Extremoz, um dos maiores mananciais da Grande Natal, que abastece parte da capital. A lotação do trem começa a se esvair. Os passageiros começam a chegar ao seu destino.

10h30 - Estação Estrela do Mar

Alguns casebres simples, vistos com mais frequência na periferia da capital, começam a dar lugar a casas de alvenaria, bem estruturadas e com infraestrutura de comércio e escolas nas imediações. Não há mais lixo, e sim plantações e áreas verdes destinadas à agricultura. Estamos chegando a Extremoz, município da Grande Natal.

10h36 - Estação Extremoz

Pontualmente no horário previsto, o trem chega ao nosso destino final: Extremoz. A equipe de O Poti/DN desce na estação central da cidade. A infraestrutura é antiga. Uma data descreve que a estação pertence à RFFSA, e tem mais de cem anos. Mesmo assim, é bem conservada e não há sinais de vandalismo. Rampas de acessibilidade garantem o acesso de pessoas com dificuldades de locomoção. Quase vazio novamente, o trem segue até o terminal, em Ceará-Mirim, de onde voltará mais de uma hora depois fazendo nova viagem.

terça-feira, 31 de julho de 2012

CBTU dobrará o número de viagens em Natal

27/07/2012 - Webtranspo

A CBTU-Natal (Companhia Brasileira de Trens Urbanos) está realizando os ajustes finais da Locomotiva 6005, que voltará a operar, expandindo a oferta dos serviços de transporte de passageiros sobre trilhos á população. Com o retorno da segunda locomotiva ao Sistema de Trens Urbanos de Natal, o número de viagens dobrará, passando de 12 para 24 viagens diárias, sendo 10 viagens na linha norte, que compreende o trecho entre Natal e Ceará-Mirim – e 14 viagens na linha sul, que compreende o trecho entre Natal e Parnamirim.

Além desta locomotiva, que está em fase de testes para ser posta em circulação, a cidade de Natal deve contar também com mais uma locomotiva, cedida pela Superintendência de Maceió (AL), que já opera com o sistema de VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos).

No início de agosto, o superintendente de trens urbanos de Natal, João Maria Cavalcanti, irá para a capital alagoana para visitar a CBTU da cidade para tratar diretamente com o Superintendente de Maceió sobre a cessão da Locomotiva 6007 á Unidade de Natal.

Com isso, o sistema deverá contar, ainda em agosto, com três locomotivas aptas para o transporte de passageiros sobre trilhos na região metropolitana da capital potiguar.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Comissão conclui proposta de traçado para o trem de passageiros

04/07/2012 - Jornal Agora (RS)

Conforme a proposta, cerca de 28 quilômetros, dentro deste percurso, aproveitará trilhos já existentes.

Após três reuniões e inúmeras audiências públicas para discutir o traçado do trem regional de passageiros em Rio Grande, foi apresentada hoje, 3, a proposta final, pelo professor da escola de Engenharia da Furg e líder do Grupo de Estudos de Transportes e Logística (Getrans) da Universidade, Heitor Vieira. O projeto tem cerca de 53 quilômetros de linha férrea, a partir da Vila da Quinta, passando por diversos bairros e terminando na área do futuro Oceanário Brasil, no balneário Cassino. Conforme a proposta, cerca de 28 quilômetros, dentro deste percurso, aproveitará trilhos já existentes.

O projeto prevê 32 estações espalhadas pela cidade. São as estações Povo Novo, Quinta, Argentina, Buchholz, XV de Novembro, Estação Central, Navegantes, IFSul/Refinaria, Porto, BGV, Junção, Vila Maria, Barra, Barra I, Super Porto I, Super Porto II, Castelo Branco I, Castelo Branco II, Dique Seco, Via I, Tecon, Domingos Petrolini, Sítio Santa Cruz, Estação Hidroviária, Estação Rodoviária, Riacho do Gelo, Caixa D’água, Rodoviária Cassino, Estação Centrinho e Querência.

Conforme o presidente da comissão que trata do assunto em Rio Grande, vereador Patola (PPS), a proposta será enviada, ainda nesta semana, para Universidade Federal de Santa Catarina/UFSC, detentora do projeto de viabilidade do trem, que deverá percorrer também os municípios de Pelotas e Capão do Leão. Até o final do ano, a UFSC deverá encaminhar o projeto final para o Ministério dos Transportes. Se aprovado o estudo de viabilidade do trem, será aberto o processo de licitação para o projeto que entrará no plano plurianual de 2012 a 2015.

Para o professor Heitor, a proposta do traçado em Rio Grande, tem grande chance de ser aceita, pelos três seguintes motivos: a cidade apresenta terreno plano, o que facilita o tráfego ferroviário; a grande demanda, em função do crescimento populacional; e pelo orçamento previsto para o projeto, de R$ 3 bilhões. “Antes eu achava que o trem de passageiros seria muito importante para Rio Grande, hoje eu tenho certeza que será a única saída para desafogar o trânsito” Concluiu o professor. Segundo ele, o secretário Municipal de Coordenação e Planejamento, Paulo Renato Cuchiara, teria apresentado, em outra reunião da comissão, um projeto de planejamento da cidade com a inserção de diversos novos loteamentos residenciais no Município, o que representa mais população e maior demanda para o trem.

Para o presidente da Associação dos Aposentados da R.F.F.S.A em Rio Grande, Paulo Nilton Carvalho, foi um crime ter suspendido o trem em Rio Grande, em 1963. “Hoje estamos tentando recuperar esse desastre que foi feito contrariando tudo o que os outros países fizeram”, relatou. “Rio Grande, do jeito que está crescendo, não terá outra solução, sem ser o retorno do trem”, continuou. Segundo o ferroviário aposentado, as vantagens do trem são inúmeras, entre elas citou a segurança, a economia e a preservação ambiental. Segundo ele, quando foi implantado o pedágio na BR 392, entre as cidades de Rio Grande e Pelotas, há mais 11 anos, cerca 3 mil carros passavam diariamente no local, hoje 12 mil carros, em média, passam por ali todos os dias. “O trem vai tirar, tranquilamente, 3 mil carros da estrada”, opinou.


terça-feira, 24 de janeiro de 2012

RMC anuncia estudo de trem regional

24/01/2012 - Paulinia News

Para o presidente da RMC, é necessário esforço conjunto para que os projetos saiam das gavetas.

O prefeito de Pedreira, Hamilton Bernardes Jr. (PSB), reeleito ontem presidente do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Campinas (RMC), anunciou que será contratado um amplo estudo de viabilidade técnica e econômica para que a ferrovia seja o modal de transporte entre as cidades da região. Há uma série de projetos e estudos envolvendo a reativação de trens regionais e Bernardes Jr. quer ter um estudo consistente que aponte prioridades para que os prefeitos possam centrar energia para implantá-los.

Além do TAV, há pelo menos sete estudos e projetos na região envolvendo o transporte ferroviário que perambulam por várias instâncias de governo, mas que permanecem nas gavetas. O único promissor, porque tem verba garantida por emenda parlamentar no Plano Plurianual 2012-2015 do governo federal, é a ligação ferroviária entre Amparo, Pedreira, Jaguariúna e Campinas para o transporte de cargas e passageiros. Os prefeitos acreditam que será possível iniciar as obras ainda este ano e colocá-la para funcionar em 2015. São R$ 155 milhões para a elaboração do projeto e execução da obra.

Para o presidente da RMC, é necessário esforço conjunto para que os projetos saiam das gavetas. “Se começarmos a trabalhar agora, levaremos pelo menos cinco anos para ter algum resultado”, afirmou, lembrando que esse é o tempo que demandou, por exemplo, a luta para a duplicação da SP-95 (Rodovia João Beira), a estrada do Circuito das Águas. “Há cinco anos brigamos por isso e somente agora está saindo a licitação da obra”, disse. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou, em novembro, um investimento de R$ 116 milhões para a duplicação da SP-95. A obra vai reduzir os congestionamentos constantes.

Ministério

No Ministério dos Transportes, existem dois trechos ferroviários entre as prioridades do governo, mas apenas um deles chegou a ter um estudo e levantamento de custos de implantação — a ligação Campinas a Poços de Caldas. O outro trecho, de Campinas a Araraquara, espera que haja interesse das cidades no seu percurso para ser discutido. O trem regional Campinas-Poços de Caldas tem estimativa de custo de US$ 70 milhões e, segundo um estudo de 2003 feito pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), será um investimento altamente rentável, com uma taxa de retorno, na época, calculada em 30% ao ano (hoje, os custos de capital nos projetos do governo, como a concessão de aeroportos, são de 6%).

O Circuito das Águas quer um trem turístico ligando Amparo, Monte Alegre do Sul, Serra Negra, Lindoia, Águas de Lindoia e Socorro. O Consórcio do Circuito das Águas Paulista está encabeçando a demanda. O consórcio é formado por oito cidades, seis delas reconhecidas como estâncias hidrominerais. São essas que planejam utilizar o trem para aumentar o potencial turístico, aproveitando que o circuito será um dos roteiros ofertados aos turistas durante a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e por ter uma de suas cidades, Águas de Lindoia, selecionada como cidade-base para receber uma das equipes que disputarão a Copa.

Os prefeitos das estâncias hidrominerais estão dispostos a participar com recursos necessários ao empreendimento — o custo será estipulado no estudo que será contratado com verba de emenda parlamentar do presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Barros Munhoz (PSDB), que destinou R$ 300 mil à pesquisa de viabilidade do trem. Eles acreditam que poderão utilizar os recursos que o governo do Estado repassa anualmente às estâncias em um projeto único para as seis cidades.

No governo do Estado, dois projetos têm movimentado a região para que cheguem até Campinas. Um deles é o trem regional, planejado para ligar São Paulo a Jundiaí, e outro é o trecho da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que também chega a Jundiaí. O Sindicato dos Ferroviários da Paulista está em campanha pela extensão da CPTM até Campinas.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Ferrovia do Entorno pode ser adaptada para passageiros

03/01/2012 - G1 (GO)

O Ministério da Integração Nacional está estudando a possibilidade de aproveitar linha férrea já existente para o transporte de passageiros, ligando os municípios da região do Entorno ao Distrito Federal. Por enquanto, o modal é utilizado exclusivamente para o transporte de cargas.

A ideia é modernizar a estrutura que tem 70 km de extensão entre Luziânia e Brasília e desafogar o tráfego na BR-040 e melhorar a qualidade de vida dos moradores do Entorno. Os trens teriam capacidade para transportar 500 mil passageiros por dia. A estimativa é que a adaptação custaria pelo menos R$ 70 milhões.

Segundo estimativas do Ministério da Integração, o estudo de viabilidade deve ser concluído em um ano. Somente depois desse tempo as obras poderão vir a ser iniciadas.

Para o inspetor da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Carlos Dantas, a ferrovia não iria resolver o problema, já ajudaria. “Pelo menos ia reduzir o número de acidentes, lesões graves e mortes. Não tenho nem dúvida disse”, afirma.

Cidade-dormitório

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmam o conceito de cidades-dormitório que os municípios do Entorno têm. Um dos casos mais expressivos é o de Valparaíso (GO), onde 75% dos moradores residem na cidade, mas trabalham no Distrito Federal.

Quem sai de Luziânia de carro já enfrenta um engarrafamento por volta das 6h da manhã, na BR-040. São 60 mil carros por dia e a distância entre o município e o centro de Brasília é de cerca de 70 km. Por causa do trânsito pesado, a viagem chega a durar duas horas. São tantos veículos, que muitos motoristas se arriscam pelo acostamento.

O comerciante de Valparaíso Nicolas Perez afirma gastar 20 minutos para voltar da loja e, de manhã, para ir ao estabelecimento, leva entre uma hora e meia e duas horas, diariamente.

Quem viaja de ônibus precisa ter ainda mais paciência, pois a viagem tem duas horas de duração. Os passageiros reclamam da pouca quantidade de coletivos, que estão sempre cheios e em péssimas condições.

“É muito estressante. É horrível. A situação é muito chata. Daqui uns dias nem vai ter como a gente sair. É muito trânsito, muito carro”, reclama uma usuária.